Uma análise dos comentários publicados da página de Facebook do portal paranaense

Rangel Ramos e Beatrice Araujo

Em 2016, notícias negativas a respeito do governo de Dilma Rousseff (PT) e o discurso “lavajatista” anticorrupção colaboraram com a construção narrativa do impeachment presidencial. Situação caótica que foi fortemente impulsionada pelo uso das redes sociais on-line, que, segundo Carvalho (2017), desde 2013 já demonstrava um crescimento vertiginoso no Brasil. 

Para Wanderley dos Santos (2017, p. 128), “o golpe parlamentar de 2016 constitui um dos desenlaces possíveis de processos críticos derivados da ecologia política das sociedades capitalistas, submetidas à competição tocquevilliana e aos efeitos da prática democrática.”.  Ná época do impeachment, grande parte da mídia impressa brasileira – como O Globo, Folha de São Paulo, Estado de São Paulo e Gazeta do Povo –, acabou por ajudar a promover a polarização política no cenário nacional, que teve seu ápice no segundo turno das eleições de 2018, quando os espectros ideológicos ficaram representados nas figuras de Jair Bolsonaro (então PSL), à extrema direita, e Fernando Haddad (PT), à esquerda.

O posicionamento dos jornais citados permitiu à campanha de Jair Bolsonaro surfar na onda anti-petista, anti-corrupção e, por vezes, anti-democrática, que tomava conta do país. Ademais, de acordo com Carvalho (2017, p. 245) “a sociedade brasileira sempre apresentou um viés autoritário, tendo em vista que historicamente, nossa República nunca foi republicana nem democrática”.

 O discurso de extrema-direita, ultra-conservador e autoritário de Jair Bolsonaro encontrou eco em uma audiência personalista e frustrada com tantas notícias de corrupção política. De acordo com o posfácio da obra de José Murilo (2017), à medida que se fortalece a opinião pública, à proporção que ela se torna mais numerosa que a opinião popular, cresce também a exigência de correção no comportamento daqueles encarregados, seja da representação política, seja da gestão governamental.  Este é um fato que também colaborou para o engajamento de parte da população com o anti-petismo e com o lavajatismo.

Pelos motivos explicitados, em 2018, ao tentar parecer isenta ideologicamente, a mídia brasileira apresentou os projetos de esquerda e de direita como um embate entre extremos na corrida eleitoral, protagonizado nas figuras de Haddad e Bolsonaro. José Marques de Melo (2008, p. 90) foi categórico ao afirmar que “o direito de informar e de receber informação constitui o fermento da cidadania, o oxigênio que nutre a vida democrática, convertendo o jornalismo e a democracia em irmãos siameses.”. 

Partindo de tal reflexão, para compor este texto, analisamos como os internautas reagiram às notícias publicadas na página de Facebook de um dos maiores jornais do Paraná, a Gazeta do Povo, durante os meses de julho a outubro de 2018. Nosso pressuposto básico é de que a tentativa de isenção ideológica presente no discurso jornalístico da Gazeta fortaleceu o embate entre extremidades de direita e esquerda. Para isso, aplicamos um filtro sobre o corpus coletado usando as palavras “direita” e “esquerda”, separando assim todos os comentários que continham as palavras que representam os dois lados do debate ideológico. A figura a seguir mostra que as argumentações podem ser divididas em pelo menos cinco clusters léxicos de acordo com suas correlações. As palavras mais usadas nos comentários em os internautas utilizaram os termos “esquerda” e “direita” estão representadas abaixo.

Figura 1 – Clusterização de comentários na fanpage da Gazeta do Povo em 2018

Fonte: autores (2020).

Read More